Quando vou em Vão.

2009. Série de 11 fotografias dispostas linearmente. 6cm x 6cm cada. C-Print.

O ensaio Quando vou em vão procura lidar com as dimensões de tempo e espaço. A redução da imagem fotográfica ao tamanho real da película explora questões de escala e processo. Ao minimizar as figuras, a informação matricial sofre alterações menores ao ser transferida para o papel do que quando ampliada. Além disso, as dimensões de cada foto criam uma lógica avessa à ordem da arquitetura urbana industrial, onde a delicadeza de um quadro de 6x6cm estabelece uma tensão com o referente fotografado.


Os registros operam como lembranças que não podem ser localizadas temporalmente, pois não revela indícios de ações.

 

No caso deste conjunto, o tempo que se refere à cronologia é problematizado da mesma forma que o tempo meteorológico, este, por sua vez, exerce um papel crucial ao suavizar e homogeneizar as relações cromáticas, enfatizando uma escala de cinzas até branco.